As minhas raízes que brotam das pedras que me viram crescer
Sábado, 10 de Junho de 2006
O MENINO INFELIZ

 

Perguntei agora ao sol

que se acende no farol

se inda há água no mar.

Disse: «Sim! Mas, ... atenção!

Se tardar a decisão,

a secura vai matar.»

 

Perguntei agora ao vento

que sacode o pensamento

se no mar havia sal.

Disse: «Sim! Neste momento,

só não tem cento por cento

porque falta Portugal».

 

Perguntei à praia-areia

onde a vaga se recreia

se não guarda na memória

os receios do Restelo.

Disse: «Sim! Mas, ... um tal zelo

foi vencido pela história.»

 

Perguntei agora ao Povo,

entre o velho e o mundo novo,

se, nas naus que fez ao mar,

algum dia faltou braço.

«Não! Na mão sempre houve espaço

pra ser onda a empurrar!»

 

Nesta noite de Natal

sobre a noite - Portugal,

o Jesus sempre nos diz:

Não há paz, falta o amor;

não há pão, a fome é dor, ...

Sou Menino infeliz!



publicado por alecrimdaserra às 01:13
link do texto | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Junho 2006
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


textos recentes

Natal em Crise

RUBRO DE CEREJA

O MENINO INFELIZ

NATAL A FAZER AMOR

SER DO TEMPO

EM BOA HORA

A VERMELHO

POR OUTRO CAMINHO

A VIDA CONTINUA

O NATAL DEPUTADO

arquivos

Junho 2006

favoritos

Alunos e professores do S...

O NATAL DEPUTADO

RUBRO DE CEREJA

links
Com a amizade do
subscrever feeds