As minhas raízes que brotam das pedras que me viram crescer
Sábado, 10 de Junho de 2006
PELO NÃO DITO
 

Tudo o que eu disse não o dou por dito,

que o mal dito por tudo e por nada,

vai ficando dito em conversa(a)fiada

-         pouca-terra, muita-palha e um apito

de comboio - serrania maltratada

no verbo em pessoa, eu versus mito.

 

Mesmo ao lado, Vieira é padre jesuíta

bem sabido nas figuras do estilo,

as metáforas - seios de madrasta,

padres novos em homem que só grita

quando prega o mundo em Dom Camilo

condenando o Pepone que contrasta.

 

Tudo o que não digo não dou por dito,

que uma parte, se é o todo apurado,

é parcela na dobra do “manguito”;

que o singular só é estilo no plural

quando corta, nos artigos de jornal,

as figuras de um Natal atraiçoado.



publicado por alecrimdaserra às 00:58
link do texto | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Junho 2006
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


textos recentes

Natal em Crise

RUBRO DE CEREJA

O MENINO INFELIZ

NATAL A FAZER AMOR

SER DO TEMPO

EM BOA HORA

A VERMELHO

POR OUTRO CAMINHO

A VIDA CONTINUA

O NATAL DEPUTADO

arquivos

Junho 2006

favoritos

Alunos e professores do S...

O NATAL DEPUTADO

RUBRO DE CEREJA

links
Com a amizade do
subscrever feeds