As minhas raízes que brotam das pedras que me viram crescer
Sábado, 10 de Junho de 2006
HIPÉRBOLE DA CHAMA

 

A mangueira deu sinal de alarme

e ... não ardeu a cultura do passal,

mas ardeu, no quintal,

a madeira que, afinal,

só tem por fado

ser caixão para a minha Gente!.

 

A hipérbole que se lê na chama

- a metáfora do diabo - foi escrita

contra o quintal do Zé,

contra o casebre da Coaitada,

contra a figueira de Zebedeu,

contra a riqueza do nada,

contra a tarde que não quis a manhã

contra um destino em talismã.

 

As metáforas que o fogo lambeu

em hipérbole do terceiro mundo,

tudo em veste rosa laranja

num contrato nupcial,

tudo é muito mais se, no final

se crê que é tempo de Natal!



publicado por alecrimdaserra às 01:05
link do texto | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Junho 2006
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


textos recentes

Natal em Crise

RUBRO DE CEREJA

O MENINO INFELIZ

NATAL A FAZER AMOR

SER DO TEMPO

EM BOA HORA

A VERMELHO

POR OUTRO CAMINHO

A VIDA CONTINUA

O NATAL DEPUTADO

arquivos

Junho 2006

favoritos

Alunos e professores do S...

O NATAL DEPUTADO

RUBRO DE CEREJA

links
Com a amizade do
subscrever feeds